8 de outubro de 2013

A origem

#lookdodia @LuísXIV #oReiSol 


Aos 10 anos


Aos 18 anos
...com a mesma roupa

Aos 28 anos,
... com o @Jean-BaptisteCoubert e a rapeize


Aos 38 anos 
... em uma representação bem humilde.


Aos 63
...usando photoshop da época.
obs: esse quadro tá no Louvre
***
No livro “A Essência do Estilo” (Ed.Civilização Brasileira), a historiadora americana Joan DeJean revela que a aura da França como terra prometida do estilo e da elegância foi arquitetada por Luis XIV, o Rei Sol, que governou o país entre 1643 e 1715 e dizia "O Estado Sou Eu".


#bookdodia


Durante o verão de 1676, Luís XIV colocou em prática o que alguns consideraram um dos mais excêntricos dos seus muitos planos de embelezamento da cidade de Paris: ele importou centenas de caríssimos cisnes brancos para dar um toque de elegância no Rio Sena.
(...)
Com a ajuda de seu contrôler general des finances, ou ministro das Finanças, Jean-Baptiste Colbert – o homem que escreveu a bíblia moderna do protecionismo econômico e das disputas comerciais –, Luís XIV estava determinado a garantir à França um monopólio extremamente lucrativo: o mercado do luxo.
(...)
O Plano de Colbert era simples: primeiro, assegurou-se de que todos os artigos de luxo que Luís XIV considerasse essenciais para promover sua imagem de o mais rico, sofisticado e poderoso monarca da Europa fossem produzidos na França e por trabalhadores franceses, depois certificou-se de que o maior número de pessoas possível seguisse servilmente os ditames do Rei Sol e adquirisse somente os mesmos artigos de luxo produzidos na França que o Rei exibia em Versalhes.
(...)


E a imprensa de moda surge neste período:
(...) Jean Donné de Visé, o primeiro jornalista que compreendeu o papel que a indústria da moda poderia desempenhar no mundo moderno. Em 1672, ele lançou um jornal, Le Mercure Galant, diferente de todos os jornais antes dele e o primeiro a se parecer com os jornais de hoje. Donne de Visé publicava as notícias, incluindo a cobertura do cenário social, das artes e das letras, das tendências na decoração e no estilo, e de tudo relacionado ao refinamento. Foi também o primeiro jornalista a fazer a cobertura do cenário da moda, o que se mostrou essencial para a criação da alta-costura.
(...)
Desde o início, Le Mercure Galant dirigiu-se a um público que nunca antes fora objeto de atenção: as mulheres. Uma parte importante desse esforço foi noticiar a moda. E, como o gênio do marketing que ele foi, Donneau de Visé não dirigia a cobertura às mulheres que podiam observar a moda por si mesmas, mas às precursoras de Emma Bovary, mulheres que viviam nas províncias e sonhavam ser tão elegantes quanto as criaturas que se tornaram o símbolo da elegância tão logo a alta-costura passou a existir: as parisienses.
 (...) Em abril de 1681, Donneau de Visé foi forçado a explicar a algumas leitoras da província que nunca seriam capazes de copiar o estilo luxuoso da estação porque os tecidos mais utilizados eram simplesmente caros demais para qualquer um que não fosse bastante rico e nobre.


***
Sofia Coppola relembrou Maria Antonieta (a mulher de Luís XVI nas horas vagas). Foi em seu reinado (1774-1792) que a era do luxo iniciada dois Luises antes, afundou de vez a economia francesa. A população ficou revoltada porque ela mandou todo mundo comer brioche*, já que não tinha pão, e a rainha fashionista foi decapitada pela Revolução Francesa.
Não por acaso a mesma Sofia dirigiu Bling-Ring, no qual retrata o efeito auto-imune da nobreza do século XXI.


Maria Antonieta


Bling Ring

A história, assim como a moda, têm seus ciclos.




*historiadores comprovam que a frase não é verdadeira, mas ela era sem noção em outros sentidos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.