28 de maio de 2011

O clube da alta-costura: parte 1

Numa navegação casual por links me deparei com o documentário "O Mundo Secreto da Alta Costura". O filme foi feito pela televisão inglesa BBC em 2010 e revela que hoje apenas 200 mulheres no mundo podem comprar alta-costura. É até divertido pensar em alta-costura em plena era do fast-fashion, né?



O trunfo desta grande reportagem é mostrar os verdadeiros membros do seleto clube. Engana-se quem pensa que as atrizes de Holywood têm a carteirinha. A relação delas com a alta-costura fica, em quase todos os casos, restrita aos tapetes vermelhos. Aliás, as verdadeiras compradoras odeiam ver as roupas em celebridades porque vulgariza o modelo pensado para ser exclusivo.

Algumas informações pescadas no documentário:

- A norte americana Caroll Petrie compra alta-costura desde os anos 40 e teve seu vestido de noiva feito pelo próprio Christian Dior.

- Betsy Bloomingdale (viúva de Alfred Bloomingdale, fundador da loja de departamento de que leva seu sobrenome) é dona de uma coleção notável de vestidos de alta-costura. Ela coloca uma etiqueta em cada um deles para lembrar onde usou (uma vez só, claro).

- As peças de alta-costura podem ser doadas para museus e a benfeitora ganha desconto nos impostos.

- No caso da Chanel, quem servir nas roupas do desfile de alta-costura ganha 30% de desconto na compra. Uma vez que não será necessário fazer outro sob medida. Portanto, época de desfile é hora de fechar a boca.

- Depois dos desfiles de alta-costura são feitas fotos e enviadas as "sócias" do clube. Antes eram enviados croquis com as amostras dos tecidos.

- Como as roupas são feitas em Paris, não é raro as clientes dos Estados Unidos fretarem um jatinho para levar os vestidos até suas casas e poderem escolher com mais calma

- John Galliano, então ativo na Dior, contou que a alta-costura era onde ele podia colocar em prática a excelência da técnica da moda. "A alta-costura é o perfume. O prêt-à-porter é o Eau de Toillete", exemplifica.

- A colecionadora de arte Judith Corrente explica que suas peças de alta-costura estão no mesmo patamar que os quadros e esculturas que possui.

Aqui vocês encontram todas as partes do filme

***
Gustavo Lins é o único brasileiro que desfila na semana de alta-costura de Paris. Sabiam?
O que isso significa? A precisão técnica dele é tamanha que passou pelo rigoroso crivo da Câmara de Alta-Costura de Paris.

Atuais membros da Chambre Syndicale.

A instituição fundada em 1868 rege as casas de moda donas do savoir-faire, e tem seus dogmas, conforme explica esse post bem didático do Petiscos: "Entendendo a alta-costura".

Aqui no Brasil é comum associar a alta-costura a roupas habillé, ou seja, roupas para festas. Na Avenida Rebouças, aqui em SP, por exemplo, não é difícil ler "ateliê de alta-costura".

Dener e Clodovil se diziam criadores de alta-costura. Tendo em vista os padrões parisienses faziam apenas roupas luxuosas sob medida.

A brasileira Bethy Lagardère, no entanto, morou na França durante muitos anos e é dona de uma vasta coleção de vestidos de alta-costura. Alguns deles foram mostrado no São Paulo Fashion Week em 2009, quando o evento comemorou o Ano da França no Brasil.

2 comentários:

  1. oh thanx for sharing such an amazing documentary!
    much more valuable in this days that the fast fashion seams took place of any kind of fashion!

    ResponderExcluir
  2. oi! uma professora disse que o único estilista brasileiro que se pode consideradar suas criações como alta costura é Rui Spohr. Será verdade isso?

    bjs

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.