14 de dezembro de 2010

Diário de Bordo: o frio, Amsterdã e Haia

Meu computador fez sua primeira viagem internacional. Ainda bem que ele não precisa sair . A temperatura aqui não está para marinheiros de primeira viagem. Contudo, o frio não é suficiente para tirar a sensação de borboletas no estômago em conhecer um lugar novo. A primeira parada é a Holanda, terra natal de Viktor & Rolf.

Fazer a mala para o frio foi um terror. Olhei o que a Betty estava usando pra me inspirar mas no final separei pouca coisa. Muitas H&Ms e brechós cruzarão o caminho.

***
Na Holanda a cor não é o forte. Todo mundo só usa preto e cinza. As Uggs boots e suas versões genéricas são as Havaianas do inverno.

Cream Wheels & An Olive Green Frame
(foto do Pays-Bas Cycle Chic)


Amsterdã tem várias lojinhas charmosas nas ruas perto dos canais. São conhecidas como "the nine streets".

Loja Kitsch Kitchen, cheia de cacrecos coloridos:

Amsterdã

Amsterdã

Amsterdã

Loja Universe on a T-Shirt Eles cortam as tirinhas nessa máquina e fazem as estampas.

Amsterdã

Amsterdã

Loja da Eastpak mostrando a recente parceria com o estilista francês Gaspard Yurkievich

Amsterdã


Às segundas e aos sábados acontece uma grande feira de roupas de segunda mão. Com paciência dá para achar alguma coisa. Já nas ruas perto da praça Dam (Grote Markert) há as lojas populares.

Noordermaarket, às segundas e aos sábados

amsterdã


Ninguém inventa roupa complicada na Holanda porque a bicicleta é o meio de transporte oficial. É uma outra dimensão. Há pelo menos 1 bicicleta para cada habitante. E se no Rio de Janeiro os hotéis de luxo oferecem guarda-sol e cadeira de praia, por aqui eles oferecem bicicletas.

Amsterdã

Amsterdã
bicicletas jogadas na rua

Tem muitas opções de cores e uma variedade de acessórios para as magrelas.

Amsterdã

E como Amsterdã também é conhecida pelo seu lado "sexo, drogas, e rock´n´roll"... essa é a Condomerie, uma loja especializada em camisinhas. Uma amostra bem leve do que tem no "Red Light District".

amsterdã


MUSEUS

O bom de estar frio é pode ficar horas olhando quadros sem remorso de não estar curtindo a cidade. Em Amsterdã o Museu Van Gogh é impecável. Muito bem organizado, muito didático com explicações ao lado de cada quadro, além de um áudio guia muito moderno. Algumas imagens que não estão no museu aparecem na telinha do aparelhinho. Por exemplo, você consegue ver como são e onde estão os outros quadros da série de girassóis. A lojinha do museu tem até luva de cozinha com estampa de quadro.

Há outros bons museus em Amsterdã, além da casa da Anne Frank, mas preferi ir para Haia (Den Haag). A cidade fica 40 minutos de trem da capital e é a sede do poder holandês. O parlamento, os ministérios, a família real, algumas embaixadas e corte internacional ficam lá. É o lugar onde os crimes de guerra são julgados. Importante, né? Olha o clima:




Fui ao Mauritshuis onde estão os principais pintores flamengos do século XVII. Entre eles estão: Vermeer, Rembrandt e Rubens. O quadro: “moça com o brinco de pérolas” está. Eles apelidaram a pintura de “a monalisa holandesa”. Eu achei ela mais bonita que a Monalisa. É mais colorida e seu olhar é mais sexy. Vermeer, é um craque da luz. Acho que ele tivesse nascido hoje seria um bom fotógrafo. Outra curiosidade : "Maurits" é Maurício em holandês, e essa "huis" (casa) foi de Maurício de Nassau, que governou na primeira metade do século XVII a região de Recife e Olinda. Os canais da capital pernambucana são uma herança holandesa. No museu tem dois quadros que foram pitados no Brasil. Ele trouxe artistas com ele. Era um rapaz visionário.



"Moça com o brinco de pérola"
Johannes Vermeer, 1665


"A aula de anatomia do Dr Nicolaes Tulp"
Rembrandt van Rijn, 1632


Depois fui ver o trabalho de outro Maurits, o Escher. Escher in the Het Palais é um museu bem interessante que fica na antiga morada da família real holandesa e tem uns lustres com formas engraçadas, cachimbo, bule, laço de fita. Em dois andares estão expostos o trabalho do gênio e no terceiro é uma parte “interativa” onde os visitantes podem vivenciar a sensação do trabalho ótico e brincar com a perspectiva do desenho dele.




Fiz esse videozinho com uma a projeção da obra chama Metamorphose II:

Um comentário:

  1. Sensacional, achei esta experiência encantadora.
    Aprovei muito a colocação das palavras em texto, para especificar meros detalhes que tranforma a "Holanda" de um sonho, para uma realidade instantanea. Parabéns.
    Encantados pensées.

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.