30 de novembro de 2010

dia de sapato

Outro dia dividi a fila do pão francês com uma menininha vestida de Cinderela. Como a atendente demorava elogiei seu vestido, e ela toda vaidosa respondeu que o traje não estava completo porque faltavam os sapatinhos de cristal. Me veio à cabeça que com tanta variedade de modelos lindos hoje em dia, há uma grande chance da aspirante a princesa achar os sapatos mais atraentes do que o príncipe encantado.




Porém, se ela seguir o figurino da princesa a risca certamente vai sofrer um pouco e interromper a valsa para descansar os pés. É notável como a idéia do frágil sapato da Cinderela, é um retrato fiel da relação entre mulheres e os pisantes. Um belo par é um instrumento de fetiche e poder, e como para a mocinha dos contos de fadas, pode ser mais uma ferramenta na busca pelo “felizes para sempre“.



As imagens são livro “Sapatos”, da Linda O´Keeffe, publicado pela editora Könemann (é um livrinho mesmo, de formato pequeno ). É bem didático e remonta a história dos calçados por meio de fotos. A breve narrativa inicial revela a relação das mulheres e dos sapatos, além de classificar este ou aquele pisante como um sinal de status ao longo dos anos.




“Um par de sapatos novos pode não curar um coração partido, nem aliviar uma dor de cabeça provocada pela tensão, mas pode acalmar os sintomas e aliviar a tristeza”, frase atribuída a cronista de moda Holly Brunbach. Uma citação da estilista Diane Von Furstenberg complementa “Olhe para os seus pés e pisca um olho para você mesma”. É uma auto paquera. E como bem lembra a autora do livro. Sapatos podem ser comprados mesmo quando acontece aquele aumento de gordurinhas inevitável e nada do tornozelo para cima cai bem.


***


Esse post foi patrocinado pela nova linha Picadilly MaxiTherapy. Super confortáveis, os calçados são produzidos com uma tecnologia exclusiva de raios infra vermelhos longos. Funciona assim: dentro da palmilha do calçado existe uma inovadora manta de biofibra superfelixível composta por materiais como silício e titânio. O calor do seu próprio corpo ativa a manta e é refletido de volta para o corpo inteiro em forma de raios infravermelhos longos, agitando suas células. Assim, usando os calçados Picadilly MaxiTherapy você auxilia nas dores, alivia o cansaço, ativa a circulação, entre outros tantos benefícios. O site da marca tem um link especial como vídeos explicando todas as vantagens de usar a nova linha. Lembrando também que a Picadilly não usa couro animal. Uma boa dica para os veganos de plantão!

4 comentários:

  1. Gostei das frases, especialmente da segunda. Tive muitos sapatos da Piccadilly no Brasil. Eram super confortaveis!

    ResponderExcluir
  2. Lau, eu nem era chegada em sapatos, hoje em dia eu ADORO!!!

    Alias to querendo ficar um ano sem comprar roupa pq tenho muita, entao acho que vou acabar apelando pros sapatos! hahaha

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. adoro seu blog <3 xoxo Siga-me blogroll Via .. add meu blog na sua lista .. adicionar o seu mal! beijos!
    Mi Face Hunter - Últimas Street Style, Editoriais de Moda e Tendências

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.