15 de outubro de 2010

fi-fi da Céline

Céline provavelmente não é a primeira marca que você leitor(a) lembra quando pensa na semana de moda de Paris. A grife também não é uma unanimidade nos livros de história da moda... Porém, a coisa está mudando.



A responsável pelo burburinho todo em torno da Céline é Phoebe Philo. A estilista é diretora criativa da grife desde outubro de 2008. Recentemente ela deixou muita gente com vontade de ter um short de couro.


Céline
primavera verão 2010/2011




Aqui um breve histórico:

Phoebe Philo nasceu em Paris, filha de ingleses. Foi criada em Londres. Ganhou sua primeira máquina de costura ainda na adolescência e estudou na Central Saint Martins. Na faculdade já mostrava seu lado minimalista. Seus croquis lembravam as criações de Helmut Lang e Jill Sander. Ela foi colega de Stella McCartney, com quem foi trabalhar na Chlóe. Ela substituiu a filha de Paul na Maison (parece que foi nesse momento que as duas se desentenderam). Sua contribuição para a Chlóe foi grande. Entre 2001 a 2005 a grife teve êxito comercial. A estilista deixa o emprego em seu auge para cuidar dos filhos e volta a trabalhar em 2008 a convite da Céline.

Céline é uma marca francesa fundada em 1945 por Céline Vipiana. A princípio fazia sapatos infantis sob medida. Nos anos 60 a grife diversificou. Passou a fazer acessórios femininos e em seguida criou a linha de roupas femininas. Suas clientes eram as senhoras de fino trato dos bairros tradicionais de Paris. O slogan da grife era “moda para todos“. A marca primava pela qualidade, então, chamou a atenção do gigantesco império do luxo, a LVMH (Louis Vuitton Moët Hennessy) que arrematou a marca em 1996. A Céline tem uma tradição no uso do couro. O material é recorrente nas coleções em função da história da casa na fabricação de artefatos do material.

Céline Vipiana

Publicidade da Céline quando só vendia calçados infantis.


Em 1997 o grupo escalou o americano Michael Kors para a direção criativa onde permaneceu até meados de 2004. Na seqüência entrou Roberto Menichetti (que assinava a Burberry e hoje tem marca própria) e a croata Ivana Omazic, que fica de 2005 à 2008 ( no google fora a passagem pela Céline, só achei o perfil dela no facebook). Aí começou o reinado de Phoebe Philo.

Resort 2010 - primeira coleção de Phoebe Philo para Céline






Na pesquisa que fiz sobre a grife encontrei uma frase interessante de sua fundadora:
“As mulheres pegaram logo o espírito da coisa. Perceberam que a roupa da Céline era prática e fácil de cuidar. A mulher que viaja prefere levar coisas leves na mala, e que permaneçam asseadas e impecáveis. Por exemplo, usar saia e blusa, combinação que eu fiz famosa, não estava na moda. Todo mundo preferia vestido”.

Olhando as coleções da Céline, realmente a grife não se destaca por seus vestidos. Quando observo seus desfiles logo penso no guarda-roupa de uma mulher moderna, bem sucedida, prática, elegante em que há jogos de calça, blusa, saia, camisa, prontos para a análise combinatória.

campanha Céline primavera/verão 2010
fotos: Juergen Teller





Em matéria sobre Philo, a revista T do NY Times contextualiza bem seu o estilo dizendo que sua volta foi um novo fôlego à moda que estava dominada pela imagem da “glamazon”. Sabe aquela mulher poderosa e sexy, imposta pela Vogue Paris (leia-se Carine Roitfeld e da Emmanuelle Alt ), e muito bem traduzida por grifes como Balmain e Givenchy.

campanha Céline outono inverno 2010/2011
fotos: Juergen Teller





Em um vídeo do style.com Philo usa o adjetivo “austero” para explicar sua coleção para o verão 2011. No último desfile prestem atenção nos macacões, e na mistura entre azul e marrom. A roupa que propõe é para uma mulher que não tem necessidade de exibir o corpo, que preza a alfaiataria e cortes clássicos, contudo nunca básicos demais. A sensualidade é discreta, está no jogo sutil da silhueta. Ela anda flertando muito com os 70´s, nas pantalonas e nas proporções de largo e justo.

Céline primavera verão 2011








O retrato que abre a matéria faz parte do editoral protagonizado por Phoebe e clicado por David Sims para a revista The Gentlewoman.



9 comentários:

  1. nota 10! clássico com um toque de charme! também gostei muito das cores e da combinação das pecas....

    Bjos!

    Roberta Laux

    ResponderExcluir
  2. Que trabalho belíssimo, gostei muito das coleções!

    ResponderExcluir
  3. Obrigada pelo post super instrutivo e gostoso de ler!

    Como iniciante no mundo da moda, adorei ler sobre uma grife que, embora não seja uma das lembradas na PFW, tem consolidado sua posição no mercado.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  4. tudo ficou tão mais claro ao saber que ela é da mesma escola que a Stella.
    Sorte que a Phoebe optou pelo brilhantismo.

    ResponderExcluir
  5. Pra mim, que não entendo lá grande coisa de gripes... é super legal ver posts assim.
    Parabéns.


    Erica France
    www.modatenis.com.br

    ResponderExcluir
  6. Oi minha Amiga Maravilhosa, lancei uma Campanha ♥FAÇA UMA CRIANÇA FELIZ NESTE NATAL♥ , preciso de sua ajuda para disseminar essa idéia para o máximo de pessoas que puder, tenho certeza que assim faremos muitas crianças sorrirem neste Natal... Conto com você!!! O selo da campanha está no meu blog.

    COISAS DI KAROL

    http://coisasdikarol.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. mtt legal seu blog mt msm
    to seguindo
    segue la? http://estilolauraa.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.