16 de março de 2010

Ave Chanel



Deu vontade de escrever esse post, quase póstumo, sobre o filme “Coco antes de Chanel“. Ele concorreu ao Oscar de melhor figurino pelo trabalho de Catherine Leterrier. Dirigido por Anne Fontaine, narra a trajetória de Gabrielle Coco Chanel: da cantora de cabaré, passando pela “irrégulière” (nem esposa, nem prostituta), ao começo de sua carreira de criadora e empresária de moda. Sua ascensão acontece com a ajuda de dois homens, Étienne Balsan e Arthur 'Boy' Capel. A produção revela como ela ganhou o apelido “Coco“. Foi graças a uma música chamada “Qui Qu' a Vu Coco?”(quem viu Coco?), sobre um dono que perde seu cachorro chamado Coco.




no YouTube

A trajetória da estilista mais famosa do século XX é mesmo fascinante. A superação impulsionada por um olhar visionário que mudou não só o seu destino, mas o rumo do vestuário feminino. Ela enfrentou a herança da infância pobre e o abandono dos pais, colocando sua criatividade para despertar desejos de consumo das damas da esnobe alta-sociedade francesa. Começou fazendo chapéus e tirava do cotidiano as idéias para suas criações. Chanel é a messias na bíblia da moda.

Chanel e modelo clicadas por Richard Avedon


A Audrey Tatou está ótima, o figurino é mesmo primoroso. A direção de arte também. Só achei que os momentos em que ela tem suas eurecas! de estilo foram, boa parte, mostrados de um jeito quase forçado. Tipo: quando ela pega a camisa do seu amante Boy Capel no armário e pergunta à ele o tecido, ele responde jérsei. Tecido maleável que ela usaria muito em sua criações e que não aparece mais no filme. Ou quando ela olha os pescadores de camisa listrada e aparece do mesmo jeito na cena seguinte.




Há, porém, cenas interessantes, bastante didáticas, que mostram a atitude revolucionário dela como criadora e como mulher.O filme mostra o incômodo da criadora com o padrão de “mulher acessório“, comportada pelo espartilho.

Por exemplo:
quando ela cria para Emilienne D`Alençon (Emmanuelle Devos) uma fantasia de órfã para a festa que acontece na casa de Étienne Balsan. A personagem, uma atriz na trama, questiona Coco dizendo que não está exibindo seu corpo. Chanel argumenta que os homens ficariam mais animados em descobrir o que estava por baixo do vestido. Em outra cena, a atriz confirma que o mistério fez sucesso entre os rapazes.

Ou ainda: quando Chanel é a única de vestido preto em meio ao baile cheio de mulheres adequadas aos padrões da época.



Tem também: em um jantar com Boy Capel, o garçom fala "Madame" (senhora), e ela o corrige dizendo "Mademoiselle" (senhorita), impondo sua condição de solteira, que durou até o fim de sua vida.



E por último destacaria a fala de Boy Capel dizendo que ela era especial e deveria seguir a diante com seu talento para criação de moda.

***
Seus biógrafos apontam, no entanto, que ela estava mais para as deusas da mitologia grega, de pecados capitais pronunciados, do que para o Jesus. Como todo gênio tinha um temperamento difícil. Seus valores eram duvidosos, gostava de uma fofoca e chegou a colocar fogo no vestido da estilista Elsa Schiaparelli, sua rival histórica. Também, fica difícil considerar se os relacionamentos que teve na vida foram por amor ou por interesse. E se foi por interesse ou não, ela foi a pessoa certa na hora certa.

***
Hoje a marca Chanel é sinônimo do mais alto luxo e uma das marcas mais valiosas do mundo. Em 2008, estava na posição 85 no ranking da Brand Z. A luva de pelíca serviu para dar um soco no estômago daquelas pessoas que primeiro torceram o nariz. Na ocasião do lançamento do filme a jornalista Vanessa Barone publicou no jornal Ecônomico um texto bom sobre essa contradição entre a história da mulher Chanel e os atuais valores da marca. Uma pena, mas não achei pra reproduzir aqui.

Há quase 30 anos sob a batuta exemplar do alemão Karl Lagerfeld, a marca continua sendo lançadora de desejos. A cobiça pelos itens Chanel começa pelo esmalte, né? Porém, o kaiser da moda não está aqui para romper com mais nada. Deitou no berço esplêndido de lençóis de algodão egípcio da fama de Coco e fez a manutenção certinha.

na moda, assim como na natureza, na se cria tudo se transforma...

Chanel por Karl Lagerfeld primavera/ verão 2010


Chanel por Chanel - "Three Colors" Evening Dress - 1939


***
Livros:

Alguma biografia da Chanel é um bom começo para se iniciar na moda. Eu tenho duas “Chanel: seu estilo, sua vida” de Janet Wallach e “A era Chanel” da Edmond Chales-Roux, esse último a obra que inspirou o filme de Anne Fontaine.





Há ainda um livro infantil chamado: “Diferente como Chanel” da Elisabeth Mathews e tradução da estilista Clô Orozco que é bem bonitinho, cheio de ilustrações lindas.



Para os mais interessados recomendo o meu livro sobre Chanel favorito: é o catálogo da exposição “Chanel” que ficou em cartaz em 2005 no Museu Metropolitam de Nova York (tem na Amazon). Os textos são em inglês e o livro tem fotos de todas as roupas que foram exibidas na mostra. Eu sempre dou uma olhadinha para me inspirar. A teoria de Chanel já é estimulante, mas é na prática, vendo os cortes, os tecidos, os acabamentos e o bom gosto dessa criadora que seu legado é perfeitamente legível.

capa do catálogo - ilustração de Karl Lagerfeld 2005


foto que inspirou o desenho: Chanel em 1936
foto: Cecil Beaton


aqui um videozinho que editei (tô aprendendo...) com algumas imagens do livro. O fundo de bolinhas é o meu edredon.

ou no YouTube


***
cena final - Coco antes de Chanel

no YouTube

Trailer

no YouTube

outros...

entrevista com Chanel (em francês):


no YouTube


mini doc. sobre Chanel (em inglês):


ou no YouTube

Audrey Tatou dirigida por Jean Pierre Jeunet (o diretor de Amelie Poulain), na campanha do Chanel nº5


ou no YouTube

10 comentários:

  1. Nossa, adorei.
    Melhor e mais completo review do filme que já li.

    ResponderExcluir
  2. Adorei o filme, embora tenha mostrado um lado meio fraco da Chanel. A versão americana mostra melhor a construção da carreira da estilista, embora a Tatou como Chanel ficou perfeita! Adoro ela! Muito legal o blog de vocês, parabéns!
    Passem lá no nosso pra conhecer também (:

    ResponderExcluir
  3. post super completo e, como sempre, cheio de informação de moda pra todo mundo aprender um pouquinho mais. Eu achei o filme ok, nada demais, tinha mais expectativas.
    Bjs, Aline.

    ResponderExcluir
  4. Lembrei do blog quando postei isso aogra. Já viu? http://pernoquitas.blogspot.com/2010/03/pausa-pra-pensar-sobre-moda.html

    ResponderExcluir
  5. Amo Chanel desde criança. Vi o filme e pretendo ler os livros. A mulher que revolucionou a moda no seu tempo hoje é sinônimo de clássico. Adoro!

    ResponderExcluir
  6. Oiiii Laura!!!! Linda materia!!!!bjos saudades! :)

    ResponderExcluir
  7. Caro blogueiro,

    A Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza H1N1 está em pleno andamento. Precisamos vacinar 91 milhões de pessoas e, para isso, contamos com a sua ajuda. Preparamos diversos materiais que podem ser usados em seu blog para ajudar o Brasil nessa tarefa tão importante.

    Para mais informações sobre como se tornar um parceiro, escreva para fernanda.scavacini@saude.gov.br .

    Atenciosamente,
    Ministério da Saúde

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.