4 de fevereiro de 2009

A moda de cabeceira - livro sem figuras

Certa vez em uma palestra no SENAC o incrível professor João Braga contou que se informa sobre história da moda lendo ficção, filosofia e sociologia. Há um tempo venho exercitando essa caça a informação em lugares menos explícitos.

***
Quando estava no colégio e era obrigada a ler os clássicos da literatura sempre pulava as partes das descrições para o livro acabar mais rápido. Muitos autores de ficção fazem uma descrição minuciosa do vestuário dos personagens e assim ambientam a época. Um dos traumas descritivos que sofri na ocasião foram com os autores do Romantismo, já que a narrativa descritiva é um das características desse período da literatura. Na época o maior responsável por essa aversão foi José de Alencar com sua obra “Senhora”.

A protagonista Aurélia passa o livro todo tentando driblar os padrões de comportamento da sociedade da época ao mesmo tempo que se faz de difícil para seu verdadeiro amor Fernando Seixas. O ritmo do flerte do século XIX, deixa qualquer adolescente louco.

Hoje um pouco mais crescidinha e trabalhando com moda vejo o quanto deixei de aprender na ocasião. Como são ricas as descrições do vestuário! Além de citar pontos de venda tradicionais da época. Olha um exemplo:

“Outra singularidade apresentava essa parte da habitação: era o frisante contraste que faziam com a pobreza carrança dos dois aposentos certos objetos, aí colocados, e de uso do morador. Assim no recosto de uma das velhas cadeiras de jacarandá via-se neste momento uma casaca preta, que pela fazenda superior, mas sobretudo pelo corte elegante e esmero do trabalho, conhecia-se ter o chique da casa do Raunier, que já era naquele tempo o alfaiate da moda. Ao lado da casaca estava o resto de um trajo de baile, que todo ele saíra daquela mesma tesoura em voga; finíssimo chapéu claque do melhor fabricante de Paris; luvas de Jouvin cor de palha; e um par de botinas como o Campas só fazia para os seus fregueses prediletos“.

***
Pulando do século XIX para o XXI, hoje de manhã me deparo com essa descrição no texto do atualíssimo escritor João Paulo Cuenca, em seu blog.

“A DESENHISTA usa um vestido quadriculado azul e branco, daqueles que se parecem com panos de mesa”.

È o xadrez vichy que apareceu aos baldes nas últimas temporadas!!! Tá vendo como a literatura descreve a moda da época mesmo sem querer?

A lista de descrições encontradas nas milhares de obras ficcionais dá para fazer um blog temático por algumas gerações. Esse post é para alertar que você estudava história da moda antes de dormir e nem sabia.

***
A literatura inspira a moda
Em 2007 fiz esse post sobre coleções inspiradas em livros. Vale a pena ler de novo!

***
Ah! E nos livros como no cinema, às vezes o figurino muito rebuscado tira a atenção da história. Quando o personagem é bom mesmo, a descrição fica por nossa conta. Assim são as obras clássicas. Vão bem com qualquer traje e em qualquer época.


4 comentários:

  1. Importante. Vale pra pra qualquer aspecto da cultura aliás: cidades, costumes, arquitetura, objetos, comidas etc. São os olhos de quem lê....

    ResponderExcluir
  2. Oi Laura,
    Carol da Alter Ego - lembra de mim?
    Passei pra ler e te dizer que adicionei seu blog na minha lista de mais lidos aqui: http://modaprafazer.blogspot.com

    ;)

    Beijo!

    ResponderExcluir
  3. concordo em genero, numero e grau.... tem mto mais que se tirar de literatura antiga do que só história.

    bjss

    ResponderExcluir
  4. Olá, gostei muito do teu blog,e voltarei cá mais vezes...
    Já agora deixo aqui o meu: http://luxuryandlust.blogs.sapo.pt/
    Xoxo
    M

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.