19 de maio de 2008

mpl entrevista: Augusto Villaescusa (Augusto Camiseiro)


O motivo da conversa com o entrevistado em questão surgiu há cerca de 15 anos. O jornalismo ainda estava bem longe dos meus planos, quando vi pela primeira vez o que eu pensava como alfaiate, na minha casa, tirando as medidas do meu pai para fazer camisas personalizadas e que recebiam as iniciais do cliente bordadas no bolso.

Se naquele tempo atendimento personalizado já era um luxo, agora com o conceito fast-fashion em seu auge soa arcaico. A primeira vista. Conversando com Augusto Villaescusa, filho do Augusto fundador da camisaria Augusto Camiseiro, se vê que a realidade é outra.

Entre os 6 mil moldes de clientes armazenados no escritório, estão as medidas de nomes ilustres como do ex presidente Fernando Henrique Cardoso, dos empresários João Dória e João Paulo Diniz, e do presidente da Gradiente Eugênio Staub.

Os amantes das roupas sob medida estão longe de se render ao consumo de massa. Por isso a grife cresce ano a ano, firme e forte na história da vida privada de alguns paulistanos e por que não, fazendo a história da moda nessa cidade que parece engolir a todos da mesma forma.

***
A década e meia de espera valeram a pena. Foram dois blocos de conversa de 18 minutos e 42 segundos (se tivesse cronometrado não seria tão exato). Bem humorado e mostrando-se muito orgulhoso de seu trabalho, Augusto me contou a trajetória de seu pai e da empresa que fundou em 1970.

Formado engenheiro e pai de quatro filhos o herdeiro chegou a exercer sua profissão, mas acabou assumindo a camisaria da família em 1987, na ocasião do falecimento do fundador. Hoje trabalha ao lado das irmãs Mônica e Nuria. Desde então modernizou a empresa que hoje conta com 26 funcionários. Em momento algum pensou em abandonar o atendimento personalizado aplicado por seu pai.


O resto da história você lê a baixo.

Como começou a Camisaria?
Meu pai é espanhol. Ele chegou por aqui em 1955 e começou a trabalhar na Camisaria Alfredo em 1956. Ele cortava as camisas. Nos anos 70 a empresa fechou e ele decidiu abrir sua própria camisaria em 1970 e passou a atender em domicílio. E o número de clientes foi crescendo.

Por que até hoje mantém o atendimento personalizado?
É o diferencial da empresa.



E por que abriram a primeira loja de pronta entrega?
Abrimos em 1993 e em 2004 mudamos para o atual endereço. Para dar opção ao cliente, lá se pode pagar com cartão. Tivemos que nos adaptar a essas formas de pagamento.

E o que mudou no mercado de camisas nesses anos todos?
O mercado de trabalho mudou. Hoje pedem camisas esportes, sem bolsos, com colarinho diferenciados. Meus clientes não são fashion, mas gostam de estar atualizados com a moda.



E ainda pedem para bordar a inicial na camisa? Aliás, porque a empresa deixa essa marca?
Tem cliente que não gosta do monograma no bolso. Meu pai manteve o padrão da Camisaria Alfredo, mas é uma tradição inglesa.

Qual é a camisa que mais vende?
As camisas mais vendidas são as brancas lisas e as azuis, de clara a média.

Hoje a Augusto Camiseiro oferece um mix de produtos?
Sim, na loja também vende gravata, cinto, pijamas e calças sob medida.



Quanto custa uma camisa personalizada?
Os preços variam entre R$180,00 a R$280

Qual foi o maior pedido que recebeu?
O maior pedido que recebi foi de 44 camisas feitas com 22 tecidos diferentes. Na média as pessoas encomendam de 4 a 5 camisas.



Como está a clientela feminina?
A clientela feminina aumentou e mudou nesses anos. Antes era mais um perfil de esposa que fazia junto com o marido e hoje são profissionais, como executivas do mercado financeiro e advogadas.

Como são as camisas femininas?
A preferência delas é por tecidos com elastano e modelos acinturados.

um chemise feminino

O que mudou na gestão dos filhos?
Hoje a empresa está indo melhor. Meu pai era mais intuitivo. Aprendia na prática. Os filhos são mais voltados para os negócios. Desde que assumimos buscamos reforçar as marca. Procuramos melhorar os materiais, liderar processos e seguir tendências. O número de clientes aumentou.



Você nunca pensou em contratar alguém para atender aos clientes?
Não. Sempre o foi meu pai que atendeu os clientes. Eu fiz questão de manter a mesma tradição.

E quais são as ações que vocês realizam para fortalecer a marca?
Nos temos uma parceria com a Daslu no espaço sob medida. Com a Mont Blanc nos desenvolvemos camisas para quem comprar abotoaduras de prata. E nós apoiamos a estilista Karen Valêncio Lemes (Projeto Lab Casa de Criadores/ inverno 2008). Confeccionamos todas as camisas e batas. Eram peças bastante complicadas com muitas sobreposições.




O que você aprendeu nesses anos atendendo pessoalmente os clientes?
A entender um pouco mais sobre as pessoas. Tem um trabalho de psicólogo envolvido (risos).


Como sobreviver a um mercado tão competitivo sendo pequeno e com um produto específico?
O diferencial é a qualidade do produto e do atendimento. Todos nossos clientes são VIP. Meu pai sempre tratou todo mundo por Senhor. Eu mantenho o mesmo comportamento. Nós também sempre confiamos no cliente. Nunca cobramos adiantado. Nosso mercado exige muito trabalho.

Qual é o segredo de uma boa camisa?
O segredo da camisa é o tecido.

***
Crédito das fotos: Loja Laura/ Moda pra Ler e desfile Valêncio Lemes - Chic

Serviço: Augusto Camiseiro - Rua Cravinhos, 83 Jardim Paulista Tel.: 11 3082.8938

7 comentários:

  1. O Régis era chique, né? Daí você não sabe de onde veio seu gosto pelas coisas da moda....Mais do pai do que da mãe, eu acho.

    ResponderExcluir
  2. das "modistas" e "alfaiates" para a moda em massa. Será que as peças únicas produzidas especialmente para o cliente, vão voltar para o auge?

    ps: se puder dar uma passada no meu blog, ficarei feliz, "linkei" você lá

    beijo

    ResponderExcluir
  3. e o MPL continua liiiiiaando :D

    Textos largos hymmm MTOBEIAM !

    beijos Kerida!

    ResponderExcluir
  4. Que bom ter sido uma agradavel referência e que tenha motivado matéria assim inteligente! E Augusto segue gentil como sempre - mesmo depois de tantos anos sem suas belissimas camisas!
    bjinhos
    Nauê

    ResponderExcluir
  5. Laurineide, saudades! Vc tá boazinha? Apareca! Beijo

    ResponderExcluir
  6. Cara Laura ,

    Muito agradecido pela sua matéria , ficou realmente muito boa e fiel ao que conversamoos . Só hoje acabei lendo. Somente uma pequena correção . Temos aproximadamente 6 mil clientes e moldes ( 40 mil talvez só na proxima geração).

    ResponderExcluir
  7. eis que dou um google no Augusto por causa de uma matéria e me deparo com esta ótima entrevista de dona Laura. Adorei! Super ajudou, inclusive. rs...Bjo

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.