15 de abril de 2008

Fashion Marketing - parte 3

Crédito: Revista Time

A head hunter francesa Floriane de Saint Pierre encerrou o Fashion Marketing. Ela já foi eleita pela revista Time como um das 10 mulheres mais influentes do mundo da moda.

Desde 1990 ela está à frente de sua consultoria Floriane de Saint-Pierre et Associés. Atualmente a empresa é especializada em encontrar 4 tipos de executivos (leia-se profissionais de altíssimo escalão: de moda, de design, de e-brands e voltados para o mercado asiático. A equipe realiza somente 80 buscas por ano.

Em sua palestra Floriane se mostrou simpática e determinada – características essenciais para quem vive de fazer contatos. Ela revelou um pouco sobre os casamentos profissionais que promoveu. Deu ênfase para os casos de escolha para diretores criativos e destacou Christophe Lemaire para Lacoste, Stefano Pilati para Yves Saint Laurent e Christopher Bailey para Burberry.

Ela contou como conheceu Alber Elbaz. Ele praticamente invadiu a suíte do hotel que estava hospedada, chegou atrasado e ofereceu flores. Na hora teve o estalo que estava diante da pessoa certa. Outro caso curioso foi quando na aula de italiano conheceu um profissional que colocaria a frente da divisão de acessórios de John Galliano. Apesar dos 40 mil currículos que a consultora tem em seu banco de dados, estar na hora certa com a pessoa certa pode fazer o processo de seleção ficar bem mais curto.

Em seus slides disse que preferia flores a gráficos e foi fazendo um bem-me-quer-mal-me-quer ao contrário. Cada pétala colocada era um elemento que a instituição deveria ter para deixar de ser somente uma empresa e se tornar uma marca.

Ao contrário do que todo mundo achou que ela ia falar, Floriane se afastou de qualquer tipo de fórmula de sucesso. Não deu dicas do tipo: leia, se informe, estude, etc, etc. Contou que cada caso é um caso. Apesar de reunir as mesmas "pétalas" (administração, marketing, branding, logística), cada empresa adota o sistema que acha mais conveniente. Uma prefere deixar a coleção masculina e feminina integrada. A outra prefere deixar separada. Assim, nem sempre um profissional que serve para uma empresa, funciona na outra.

Sobre o Brasil ela contou que não sabia quase nada, e que será um prazer poder trabalhar com empresas locais. Ah! Ela elogiou a Natura e disse o que os produtos “verdes” serão o novo luxo.

Deu vontade de levar flores no hotel, com um currículo traduzido como cartão.

Um comentário:

  1. Bem, sempre quiz ser uma menina "antenada" em tudo que é fashion e estiloso. Acho que moda é muito mais que ter uma roupa legal. Para poder ser moda, uma peça deve ser confortável e bonita.

    Sempre procuro isso nas peças que eu compro e acho que assim vou me dar bem.

    Beijos.

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.