10 de maio de 2007

Casa dos Criadores Dia 2

Moda pra ler Entrevista: Walerio Araújo.



Em sua “décima terceira ou décima quarta” participação na Casa de Criadores o estilista Walério Araújo foi ovacionado pelo público ao final de seu desfile. Alguns críticos comparam o criador com John Galliano, que entre outras performances já apareceu num final de desfile com o balão de gás hélio amarrado na cintura. Como bem disse Ricardo Oliveiros do Fora de Moda, “ele desfila melhor do que muita modelo”.

Sua coleção cujo tema era “pérolas aos porcos” traz a marca registrada do seu trabalho para uma mulher que o une sofisticado ao fetiche.

Walério fez curso de corte e costura por correspondência e estreou em 2001 no Amni Hot Spot. Apesar da clientela estrelada e sua figura ser super querida no mundo da moda ele prefere ficar na Casa de Criadores por enquanto.

Um pouco antes do desfile, ao lado de suas passadeiras ele conversou com o Moda pra ler e contou um pouco mais sobre sua opção de desfile, sua coleção e sobre seu sabor de pizza favorito na pizzaria do Copan, onde mora e onde fica sua loja.



Você já tem alguns anos de estrada, clientes famosos, não pensa em participar de um evento maior como o Fashion Rio e o SPFW?
Eu optei por ficar na Casa de Criadores porque tudo é menor Tem uma cobrança muito grande de jornalistas, para participar do Fashion Rio e do SPFW. Para isso tem que ter uma estrutura financeira maior, um esquema de oficinas mais estruturado e por aí vai. Tenho que esperar a hora certa.

Fala um pouco sobre essa coleção?
O tema é “Pérolas aos Porcos”. São 21 looks. Envolve várias referências. É uma crítica a dificuldade de se fazer uma coleção. Dessa troca de favores, toda coleção temos que pedir um apoio financeiro, ou material. Torna-se apelativo. As roupas trazem muitas pérolas em cima de tecidos novos e populares. Tem um look que tem uns porcos bordados de cristais. E por que porcos fazem parte da minha infância. Minha mãe criava porcos e eu tinha função de alimentá-los. Foram muitos anos. Ficou na memória, minha mãe ganhava dinheiro com isso. È um bichinho bonitinho, serve como cofrinho....às vezes.

Também é uma coisa para pensar no seu planejamento financeiro?
Exato.



E os tecidos e os sapatos?
Um jacard exclusivo com um desenho que remete pérolas e bastante tafetá. Os sapatos do Fernando Pires, também com pérolas. Usei muitas luvas. Eu adoro. É coquetel, é fetiche. A minha mulher tem essa mistura do sofisticado com o fetiche. Do trash com o glamour.

Quais são os planos para marca?
Estou analisando algumas propostas para vender em multimarcas. Atualmente vendo na minha loja e na da Patrícia Field em NY.



Por que você optou por abrir sua loja no Copan?
Porque eu me acostumei com o lugar. Moro lá há dez anos. Aproveite a comodidade. Eu uso até o banheiro de casa. Eu procuro ficar lá o tempo todo.Para mim é perto de tudo. Vou na 25 de março três vezes por semana. Também estou sempre na rua das noivas e nos jardins. Faço tudo a pé. Minha pedicure, manicure são lá. Poderia fazer em outro lugar, mas faço lá. A pizza de lá é ótima. Uma vez, no final da novela O Clone, convidei o Herchtcovich para comer pizza e ele adorou. Eu gosto de Palmito com muzzarela, frango com muzarella e milho e a moda do chefe. Eu só não sou fã de catupiry. Também gosto do restaurante do João. Sempre almoço lá. A comida é bem caseira. Adoro a Feijoada do Sapori di Rosi aos sábados.

E o público da região como encara a loja?
O público da região estranha um pouco porque acha a loja muito imponente e também vê a clientela como a Preta Gil, a Sabrina Sato e a Elke Maravilha e não se identifica. Mas é mais pelo espaço porque a loja tem camiseta, vestido, eu faço por encomenda.

***
Fotos:
Desfile - Erika Palomino
Walério - Laura/ Moda pra Ler

Um comentário:

  1. Veja só...o estilista é seu vizinho no Copan. Que chique!

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.